Vida pós Covid-19: protocolos e novas regras de etiqueta social (parte 1)

covid coronavirus protocols protocolos dicas mascara

Vida pós Covid-19: protocolos e novas regras de etiqueta social
Photo by Evgeni Tcherkasski on Unsplash

Depois da chegada do Covid-19, primeira onda, agora segunda onda, precisamos pensar como voltar à vida normal. Enquanto não há vacina, precisamos reinventar as regras da etiqueta social, lembrando que a responsabilidade pela vida de cada um é de todos. 

Aos poucos, os escritórios e comércios que tanto esperaram pelas suas reaberturas estão buscando maneiras de prevenir novas ondas de contágio. 

Para facilitar a sua volta e lhe dar mais tranquilidade em escolher out of offices fizemos um resumo dos protocolos  que deverão ser seguidos daqui em diante.

Você não pode deixar de ler até o final

Regra geral para todos de qualquer segmento 

1- Quem pode trabalhar remoto deve continuar remoto. Conforme já citamos em posts anteriores, muitos negócios e profissionais perceberam que é muito mais vantajoso trabalhar home office.

Diminuir o fluxo de pessoas em transportes públicos e locais de alta concentração de pessoas é uma meta a ser perseguida.

2- Distanciamento social de no mínimo 1,5m a 2m é essencial.

3- Se tiver sintomas do Covid-19 não saia da casa e comunique seus superiores ou colegas ou os responsáveis dos locais que você visitou recentemente.

4- Monitorar a temperatura corporal antes de entrar de ambientes fechados.

Photo by Dhaya Eddine Bentaleb on Unsplash
Vida pós Covid-19: protocolos e novas regras de etiqueta social

5- Ao chegar, higienize as mãos com água e sabão e seque com papel toalha descartável ou com álcool em gel 70%.

6- Higienizar novamente com álcool em gel 70% antes e depois de atendimento pessoal ou ter contato com qualquer superfície. 

7- Não compartilhar copos e garrafas, talheres, canetas e materiais de escritório de uso pessoal.

8- Mantenha o local de trabalho limpo: higienize a mesa e cadeiras ao chegar, ao voltar do almoço e quando deixar o trabalho. Limpe com papel descartável e álcool as maçanetas, puxadores de arquivos, interruptores de luz, botões de elevador, teclado e mouse de computador e tudo o que você tocar.

Para os botões de elevador você pode utilizar um palito de madeira descartável ou a ponta de uma chave (e não esqueça de higienizá-la assim que possível).

9- Use máscara sempre que for falar com outras pessoas e o tempo todo se houver outros na mesma sala.

10- Evite sentar próximo, de frente ou ao lado de outra pessoa.

11- Não beije, abrace ou aperte mãos quando cumprimentar. 12- Evite elevadores e em caso de necessidade extrema, certifique-se de manter distância mínima.

13- Os empreendimentos, escritórios e restaurantes devem ter máscaras descartáveis para serem oferecidas aos clientes e disponibilizar álcool 70% em gel e se possível, manter um local de fácil acesso com pia, água e sabão e toalhas descartáveis.

14- Manter as janelas abertas e os locais ventilados.

15- Não toque ou pegue revistas, prospectos, folders, jornais, controles remotos ou qualquer outro objeto que esteja à disposição de todos – as empresas devem retirar de circulação todos os itens de uso coletivo

16- Não aceite alimentos que não estejam embalados – o oferecimento está proibido.

17- O serviço de manobristas está suspenso temporariamente.

18- As medidas de prevenção e os protocolos adotados devem ser informados de todas as formas possíveis: via site, cartazes no local e cartilhas “take one”.

19- Leve sua garrafa de água ou copo. No caso de não tê-los, somente água em copos descartáveis e lacrados.

20-  As empresas deverão orientar os colaboradores que devem retornar ao trabalho nas suas sedes sobre  medidas de higiene necessárias ao utilizarem os meios de transporte público.

21- Os colaboradores que apresentem sintomas devem trabalhar remoto e permanecer em quarentena por 14 dias. Os que tiveram contato com pessoas doentes devem ficar 7 dias em isolamento social para ver se aparecem sintomas.  

22- Ao utilizar os serviços de restaurantes, bares e cafés, prefira os que tem áreas abertas e bem ventiladas e evite os self services.

Vida pós Covid-19: protocolos e novas regras de etiqueta social
Photo by Nick Bolton on Unsplash

Mesmo com Covid-19 cada vida conta

O mundo já passou por dias difíceis antes e estamos aqui, evoluindo e aprendendo.

Já foi pior, estima-se que em 1918 a gripe espanhola infectou mais de 500 milhões de pessoas e o número de mortos até hoje ninguém sabe ao certo, e pode ter chegado a 100 milhões.

Por essa breve comparação podemos ver que a ciência, a medicina e a qualidade de vida das pessoas melhorou bastante e nossa luta contra o Covid-19 tem sido mais efetiva, porém, cada vida conta. Cada pessoa que se foi era especial.

Pelo bem de todos precisamos seguir e fazer que sejam seguidos esses protocolos e regras.

O que você pensa sobre essas 22 regras que apresentamos? Deixe nos comentários.

Confira no próximo post os protocolos específicos das imobiliárias e dos comércios (inclusive restaurantes, bares e cafeterias)

Mobilidade para 2040: a estratégia urbana em ação no Reino Unido

mapa metro Londres
Mobilidade para 2040: a estratégia urbana em ação no Reino Unido
Fonte: OneWorldMap

O governo britânico tem publicado em seu site oficial https://www.gov.uk estudos sobre a mobilidade urbana e o seu planejamento para chegar em alta performance em 2040.

As pesquisas levam em consideração as necessidades presentes e futuras dos usuários e os avanços tecnológicos que estão em andamento, deixando espaço para o que ainda virá.

A política do governo em relação a essa questão visa responder aos anseios da população, motivar pesquisas e investimentos em tecnologia que tragam mais eficiência com responsabilidade ambiental e que proporcione novos modelos de negócios.

Conheça um pouco como esse Estado de primeiro mundo enxerga e planeja o futuro da mobilidade.

Mobilidade coletiva

O Reino Unido é um Estado soberano composto por 4 países: Inglaterra, Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales.

A capital do Reino Unido – e da Inglaterra – é Londres, que ao contrário de Brasília, também é o centro financeiro mais importante.

Fundada pelo romanos no ano 50 d.c. foi batizada como Londinium que significa longínquo em latim.

Em razão de muitas disputas de poder e incêndios ela foi reconstruída muitas vezes e é um símbolo de tradição e avanço tecnológico ao mesmo tempo.

Se compararmos as cidades de Londres (1.572 km2 e 8,9 milhões de moradores) e São Paulo (1.521 km2 e pouco mais de 12 milhões de habitantes) temos a noção do quanto ainda há que percorrermos no caminho da mobilidade e inclusão. Confira:

Londres tem:

  • Underground -11 linhas de metrô que somam 270 estações;
  • Overground – 9 linhas de trem que somam 112 estações;
  • Tramlink – 39 estações que circulam apenas no sul de Londres;
  • Waterbus –  1 linha com 3 terminais;
  • Ônibus – 8000 unidades que fazem 700 rotas diferentes…

São Paulo tem:

  • Metro: 6 linhas que somam 89 estações;
  • Trem: 7 linhas que somam 94 estações;
  • Barco: nao tem
  • Ônibus: estima-se cerca de 280 mil (infelizmente não conseguimos checar alguns dados, mas se você os tiver, escreva nos comentários, por favor)

Planos para o futuro:

Não  bastasse tudo o que tem sido feito no decorrer de toda a sua história, Londres e todo o Reino Unido olham adiante e se preparam para continuar sendo um lugar que encanta.

Esses são alguns dos planos para o futuro:

Carros elétricos 

Em 2015, haviam registrados 28.188 carros elétricos “plug in”, sendo 9.934 somente elétricos e 18.254 híbridos ou  plug-in hybrid electric vehicle, também conhecidos pela sigla PHEV (com motor que funciona tanto a combustão como por impulso elétrico). (Wikipedia)

Em 2019 estima-se que eram ao menos 37.850 e calcula-se que a troca de todos os veículos movidos a combustão por eletricidade, no Reino Unido, acontecerá até 2040.

Mas, a preocupação em monitorar e diminuir o impacto no meio ambiente tem pelo menos uma década.

Transporte limpo: em 2010 o número de todos os carros licenciados com emissões ultra baixas no Reino Unido era de 1.568 unidades. No terceiro trimestre de 2019 esse número saltou para 228.286. (Fonte: https://www.statista.com)

Mobilidade: carros elétricos
Foto: site www.whatcar.com

Carros autônomos

Segundo o site do governo britânico, diferentes companhias estão trabalhando no desenvolvimento de carros autônomos – que não precisam de motorista.

O governo está apoiando um projeto de ônibus sem motorista em Edimburgo e dois projetos de táxis autônomos em Londres – transporte mais barato vem chegando!

Celulares e internet: tecnologias aliadas ao governo

A estratégia governamental considera os celulares e a internet importantes aliados para que se possa proporcionar aos contribuintes e usuários uma melhor experiência no exercício da mobilidade urbana.

Com eles é possível planejar e agendar as jornadas com mais segurança e assertividade.

Os veículos podem utilizar a internet para “conversarem” e evitarem acidentes de trânsito sem a interferência humana.

Mobilidade: carros que conversam
Fonte: https://auto.howstuffworks.com

Drones e bikes: Outras formas de transportar

As bicicletas, os patinetes e scooters são uma realidade e desde cedo as crianças são estimuladas a utilizá-los.

Quem anda por Londres percebe todos os dias, criancinhas de três ou quatro anos indo para a escola de patinetes.

Profissionais liberais e freelancers que necessitam se locomover para atender clientes costumam usar bicicletas e scooters elétricos.

As ruas são feitas para serem desfrutadas por cadeirantes e eles fazem parte do tráfego de pessoas que vão as compras, pubs, bibliotecas, e seus locais de trabalho com a mesma desenvoltura de qualquer outra pessoa da comunidade.

Os drones, porém, são uma preocupação a mais para os administradores públicos. Atualmente são utilizados apenas para transportes de emergência ou para tarefas pontuais, como checar a segurança de alguns bairros, mas as prefeituras estão trabalhando em leis e normas que regulamentem o uso desses aparatos, pois há a preocupação de que esses dispositivos venham a criar um intenso tráfego nos céus das cidades.

Empresas como a Amazon e a Cargo Drones estão investindo milhares (ou bilhões) de dólares enquanto esperam essa liberação!

Mobilidade: aprende-se desde cedo
Photo by Kelly Sikkema on Unsplash


Mobilidade estratégica para continuar caminhando e compartilhando meios de transporte

A coletividade, a inclusão social efetiva e o cuidado com o meio ambiente são assuntos muito presentes nas pautas públicas que rondam a coroa da rainha e o desktop setup do primeiro ministro.

A maior preocupação é em como aumentar a segurança e o espaço público de convivência – em lugar de se preocupar com a coleta dos impostos e receitas oriundas de estacionamentos e multas. Baratear serviços e colaborar com a qualidade de vida e longevidade dos cidadãos fazem da mobilidade urbana um tema planejado para o futuro e executado no presente.

Pensar nos riscos de cada inovação ou na falta dela, e respeitar o ritmo e opções pessoais de cada indivíduo, tendo a sensibilidade de não ferir as expectativas das pessoas que são avessas aos aparatos tecnológicos, como a internet e o celular, é o diferencial dessa nação.

O Reino Unido é um lugar onde as tradições são preservadas e, mesmo assim, as novidades encontram seu lugar.

Trabalho remoto após o confinamento: o que vem por aí?

placas apontando para lugares diferentes viagens cidades
macro photography of cappuccino in mug on a table napkin
Trabalho remoto após o confinamento: o que vem por aí?
Photo by Daniele Levis on Unsplash

Após o confinamento em que o trabalho remoto se sagrou como a melhor saída para muitos profissionais e empresas, as atividades externas devem recomeçar em algumas cidades, a exemplo de São Paulo. 

Como você imagina que esse período de isolamento social influenciará esse retorno? 

Por algum tempo, experimentamos sensações conflitantes: 

O alívio de se livrar dos congestionamentos e seus atrasos versus a solidão quase que insuportável do home office, ou as tentativas de se equilibrar em meio ao caos familiar

Trabalho remoto após o confinamento: o que vem por aí?
Photo by Edu Lauton on Unsplash

Home Office: grandes vantagens

É verdade que muitos empresários viram nessa experiência grandes vantagens, como a possibilidade de redução de espaços físicos, diminuição dos custos com deslocamentos, e um possível aumento da assiduidade e pontualidade dos colaboradores em até 100%!   Afinal, seria difícil arrumar uma desculpa para um “atraso” ou o argumento que não teria com quem deixar os filhos, sem sair de casa.

Teoricamente, a falta de estresse do trânsito e o cansaço despendido no tempo de locomoção deveriam ser substituídos por mais energia, proatividade e disposição.

Alguns entusiastas do trabalho à distância já comemoram uma importante vitória sobre o legado de 100 anos da cultura fabril (que norteou a instalação de parques industriais e desenhou a forma de trabalho dos escritórios convencionais).

Trabalho remoto após o confinamento: o que vem por aí?
Photo by Gabriel Porras on Unsplash

É hora de trocar definitivamente o desktop do escritório  pela mesa da sua casa?

Estamos vivendo um momento completamente atípico e esperamos que isso acabe logo.

Há muito o que se analisar e o curto período de tempo dado a essa massiva experiência não pode servir para tomadas de decisões, que podem impactar os negócios a médio e longo prazo.

Calma lá, evite julgamentos precipitados ! Como cita a Fernanda Mourão em seu artigo no Linkedin, é necessário ponderar.

Antes de decisões definitivas pode ser necessário vivenciar por mais tempo novas alternativas, para então estabelecer futuras políticas de funcionamento. 

  • Qual seria o rendimento do trabalho à distância após 6 meses ou um ano?
  • Os colaboradores ficariam satisfeitos com essas mudanças a longo prazo? 
  • Hoje eles estão confortáveis trabalhando em seus lares? 
  • Como essa experiência tem impactados as famílias?
  • Qual seria o tempo ideal para que cada um trocasse o desktop do escritório pela mesa de sua casa?
  • Qual outras alternativas poderiam existir?
man and woman sitting outdoors
Trabalho remoto após o confinamento: o que vem por aí?
Photo by Annie Spratt on Unsplash

Trabalho remoto não é só Home office!

Entendemos que muitas pessoas, quando saírem para regressar à sua rotina tradicional, vão estar assustadas, desconfiadas e temerosas.

Por dois meses, vivemos todos dentro de uma bolha e não sabemos se aquilo do qual tentamos nos proteger estará (ou não) nos esperando no próximo corrimão ou botão de elevador.

Mas, por outro lado, se produzir para sair de casa, mudar de ambiente e ver pessoas pode ser um tônico para nossa alma e alimento para nossa produtividade.

É hora de lembrar que trabalho remoto não se faz só em casa!

O home office é uma das possibilidades, mas há muitos lugares em que é possível trabalhar e manter a distância segura, em ambientes arejados e limpos. E de quebra, seu pet pode até lhe acompanhar, por exemplo.

No www.outoo.com.br você encontra várias sugestoes de locais que podem substituir seu home office. 

Além de facilitar as buscas, o app conta com informações sobre a infraestrutura do local, que aparecem listadas como “Facilidades” logo abaixo da apresentação de cada sugestão, com as informações mais relevantes, como por exemplo: 

  •  Acesso Gratuito
  •  Espaço para Animais
  •  Ar Condicionado
  •  Área Externa
  •  Bom para Grupos
  •  Espaço Lounge
  •  Luz Natural
  •  Tem Café
  •  Tem Comida
  •  Tem Sucos
  •  Wifi

Com o  app.outoo.com.br  você também tem acesso ao serviço de reservas, informações de locações disponíveis e link para o site do estabelecimento parceiro, caso você tenha outras dúvidas.

Trabalho remoto após o confinamento: o que vem por aí?
Photo by Diego PH on Unsplash

Sol de Outono e o Trabalho remoto após o confinamento

Se é hora de encarar a vida lá fora, respira fundo e saia da toca!

Sua empresa está propondo um retorno às velhas práticas ou quer que você continue trabalhando remotamente?

Seja qual for a escolha de vocês,  não esqueça de olhar para o céu e contemplar esse lindo manto azul que se torna dourado ao entardecer.

E se nem o primeiro ou segundo lugar for o ideal para oxigenar a sua mente, lembre-se que no Outoo estão os melhores terceiros lugares da vida! 

Conte com a gente, e bom retorno!

Home Office, Trabalho Remoto, Flexível, teletrabalho: novas alternativas

Home Office, Trabalho Remoto, Flexível, e-Telecommuting: novas alternativas
Photo by Damir Spanic on Unsplash

Ainda vamos discutir muito sobre os impactos acerca da nossa vida durante e pós pandemia. Home Office, Trabalho Remoto, Flexível e e-Telecommuting renovarão nossas perspectivas? Foram tantas mudanças e tantas situações tão novas e diferentes que precisaremos de tempo para digerir tudo isso.

E assim como a Gripe Espanhola marcou o início do século passado, o Coronavírus deixará seu rastro neste novo século e milênio.

Um dos setores que já está sentindo um forte abalo é a economia global. E quando uma crise entra por uma porta, milhares de postos de trabalho saem pela outra.

Felizmente a tecnologia, que até então era vista competindo e tirando oportunidades, agora é uma importante aliada para a retomada da vida de muitos ao redor do planeta.  

Home Office, Trabalho Remoto, Flexível, e-Telecommuting: novas alternativas
Photo by Ana María Alvarado Porras on Unsplash

Trabalhos tão adaptáveis com a água em estado líquido 

Quando falamos de trabalho remoto muitos logo pensam no home office como a única opção.

Se as novas ideias brotam do pensamento criativo e por isso não se esgotam, o trabalho exercido fora do ambiente tradicional segue essa tendência e se adequa, como a água em estado líquido, que pode se acomodar em qualquer tipo de recipiente, sem perder a sua essência. 

Estar remoto, quer dizer estar distante do tempo e/ou espaço e também estar conectado de forma digital, por tanto com apenas essas duas premissas colocadas, as possibilidades são infinitas em termos de local para estar. A tecnologia nos permite hoje estar conectado em qualquer que seja nossa localização que tenha acesso a internet, o celular é uma prova disso, ou você só usa a internet do seu smartphone quando esta em casa? Não né? Então por que o trabalho quando remoto precisa ser só em casa, percebem que não faz sentido?

Basta que as partes precisem uma da outra e que haja boa vontade para buscar as saídas sustentáveis e legais.

Por isso, há muitas opções de trabalho remoto, que pode ser flexibilizado de muitas formas, por tempo indeterminado, intermitente, por projetos, intercalado com períodos no escritório, etc.

A rotina executada porta fora da empresa não precisa seguir o seu regime de horário nem o ambiente escolhido necessita acompanhar a identidade visual vivida dentro da empresa.

Basta que o colaborador “vista a camisa da organização”, respire seus valores, se comprometa com a missão e comungue da mesma visão

man sitting near window holding phone and laptop
Home Office, Trabalho Remoto, Flexível, e-Telecommuting: novas alternativas
Photo by bruce mars on Unsplash

Teletrabalho mais forte que nunca

e-Telecommuting ou Teletrabalho como tem sido usado institucionalmente de maneira mais formal, é caracterizado por uma relação profissional que se desenvolve no meio digital através de ferramentas de gerenciamento, e-mails, aplicativos e telefonemas, e é associado erroneamente somente por Home Office ou pela sigla WFH (working from home) 

São tarefas que não requerem supervisão ou apenas mínima coordenação e dispensam o caráter face-to-face tão comum nos escritórios.

Já era muito aplicado em trabalhos facilmente mensuráveis, como programação, processamento, edição, digitação, criação, redação, sac, vendas por telefone, cobrança, contabilidade, secretariado remoto (agendamento, compras virtuais, atendimento telefônico remoto, gestão de arquivos em nuvem, etc), suporte técnico, entre outros.

Mas hoje ficou mais claro, para a maioria das pessoas que experimentou o trabalho remoto, que muitas outras atividades podem ser exercidas remotamente.

E podem ser exercidos de qualquer lugar depois que o isolamento acabar por completo! E novas formas de mensuração de desempenho podem ser adotadas.

Home Office, Trabalho Remoto, Flexível, Teletrabalho: novas alternativas
Photo by Damir Spanic on Unsplash

 

Anywhere ou nomadismo digital?

Com muitos negócios provando a ressaca do pós vírus, a tendência é se avaliar as necessidades de instalações que até então vinham acolhendo as equipes e ostentando o status quo das tradições organizacionais.

Provavelmente muitos empresários que se acostumaram a lidar com seus colaboradores via computador ou celular vão se perguntar: por que mesmo suportaram por tanto tempo os gastos tão pesados de suas antigas estruturas?

Seria hora de mudar ou esperar mais? Ficou com dúvida? Acesse nosso post sobre o OutooId.

Prosperidade disfarçada de crise

Mas, o fato é que investir em uma reeducação corporativa que possibilita as pessoas trabalharem de qualquer lugar (anywhere office) ou incentivar o nomadismo digital pode abrir muitas fronteiras para todos os envolvidos.

Trabalho em rede, crowd work, coworking, out of office, e todas as formas de colaboração desenvolvidas sob o conceito da GIG ECONOMY serão revitalizadas. Daqui em diante teremos de estar atentos para aproveitar o impulso que novos ventos darão aos barcos da prosperidade, ainda que disfarçado de crise.

Como será a volta ao escritório após o COVID 19?

Covid 19: desafios e oportunidades para o design dos espaços de trabalho

Independente de onde você esteja, deve estar pensando em como será a volta ao escritório após o COVID 19.

Cada lugar, com suas características, escolheu como enfrentar esse momento de incertezas com a mesma técnica que os goleiros enfrentam a hora do pênalti: escolheram, às cegas, um lado para defender e contaram com a sorte. 

Alguns países, como o Japão e a Nova Zelândia, conseguiram atravessar a pandemia sem lockdown, mas com outras medidas restritivas e com a maioria dos trabalhadores em home office

Outros, como o Reino Unido, Itália e França deram os primeiros passos para retomar à vida normal, após paralisar todos as atividades que não fossem essenciais.

Porém, independente de qual foi a escolha, há decisões e providências a serem tomadas para que a vida possa seguir enfrente da melhor maneira possível.

Com base em um artigo do Cushman & Wakefield, uma consultoria imobiliária presente no mundo todo, apresentamos 7 passos para preparar o ambiente  e receber os colaboradores, parceiros e clientes com um sorriso na máscara e de braços abertos, mas com a devida distância. Confira:

people inside high-rise building with concrete wall
Como será a volta ao escritório após o COVID 19?
Photo by dylan nolte on Unsplash

 Os seis elementos do conceito 6 Feet

1. Quick Scan: Uma rápida mas profunda análise do ambiente de trabalho e os possíveis locais de propagação ou foco de vírus, e outras possibilidades de melhorias. 

A maioria dos ambientes que se expandiram com o crescimento de um negócio não tiveram o olhar voltado para todas as necessidades, menos ainda das futuras, ou melhores alternativas. Geralmente se faz o que é possível em curto espaço de tempo e com o mínimo de recursos.

A vida segue e as pessoas, com a sua grande capacidade de adaptação, improvisam para minimizar qualquer incômodo. 

Existe sempre alguma coisa que ficou por se fazer ou que precisava ser repensada.

Que tal voltarmos à prancheta e rever os gargalos de fluxo de gente e pontos de aglomeração, ventilação, iluminação e otimizar espaços subutilizados, distribuindo melhor as pessoas para manter o distanciamento necessário?

2. Rules: Segurança em primeiro lugar. Elaborar um conjunto de regras simples e objetivas de conduta para manter todos a salvo e o ambiente seguro.

Imaginamos que após essa pandemia, as regras da CIPA e as regulamentações sobre ambientes de trabalho deverão passar por mudanças.

Mas sua empresa não precisa esperar por uma lei para proteger seu capital mais valioso: a vida de seus colaboradores e de seus clientes.

Sair na frente e buscar soluções para quando a volta ao escritório acontecer vai melhorar o seu conceito diante dos defensores da sua marca e diminuir os riscos de afastamento por doenças respiratórias.

3. Routing:  estudar o fluxograma da empresa e criar alternativas para o uso frequente de escadas, elevadores e corredores estreitos. Abrir nichos de ventilação e melhor iluminação, sempre que possível. Ampliar ou alterar os horários de expediente e diminuir o fluxo de documentação física são algumas medidas que podem tornar o ambiente mais seguro, fluido e leve.

4. Workstation: Adaptações ou novos equipamentos para estações de trabalho mais produtivas e seguras.

Cada caso é um caso e cada realidade tem suas peculiaridades. Com expertise e criatividade é possível criar ambientes confortáveis e seguros respeitando o budget.

5. Facility: É muito bem vindo manter um funcionário treinado e preparado para responder às dúvidas e facilitar soluções ao grupo, no que diz respeito à segurança sanitária. Os prestadores de serviços de manutenção e organização dos espaços de trabalho e edifícios terão papel fundamental.

6.   Certificate: Comunicar a preocupação com a segurança e a saúde de todos é essencial. Coloque certificados em pontos estratégicos sobre as medidas tomadas. Além de informar, vai servir de lembrança que a prevenção deve continuar. 

brown wooden table with chairs
Preparado para a volta ao escritório?
Photo by Bas van den Eijkhof on Unsplash

Preparado para a volta ao escritório?

Dentro da medida do possível, esperamos que a volta de todos ao escritório seja a mais feliz e tranquila possível.

A OutooId, consultoria de design e estratégias para espaços de trabalho, se identifica com os seis passos da consultora Cushman & Wakefield e ainda acrescentamos mais um:

7. Engagement: engaje seus colaboradores na busca pelas melhores soluções, são eles que vivem e respiram os ideais do seu ambiente, dê a liberdade para que eles proponham novas rotinas, flexibilizem horários e localização física, agora que todo mundo ja experimentou o trabalho remoto e viu que é possível adotar mesmo que parcialmente esse modelo, ele pode ser um grande aliado no cuidado com a contaminação e também para a produtividade e saúde física e mental das pessoas.

Cada um pode reforçar os cuidados pessoais, como limpar a mesa, computador, telefone e a cadeira, uso de papel ao invés do toque direto em botões de uso publico como elevadores, descargas e torneiras, e passar álcool gel sempre que possível antes e depois de usar ambientes coletivos.

Coronavirus in China. Novel coronavirus, people in white medical face mask. Concept of coronavirus quarantine vector illustration. Seamless pattern

O respeito pela própria vida e dos demais deve ser cultivada e fortalecida cada vez que lembrarmos que manter distância segura é um ato de amor ao próximo e civilidade.

Você tem algum outro passo a acrescentar? Deixe sua contribuição nos comentários. 

Freelancer: como organizar sua vida para começar?

note paper, blue pen, and eyeglasses on white surface beside keyboard
Freelancer: como organizar sua vida para começar?
Photo by Plush Design Studio on Unsplash

Se está sobrando tempo e tédio, que tal repensar sua vida profissional? 

Apesar do alto preço que estamos pagando por esse recesso coletivo e forçado, o início da segunda década deste novo milênio nos deu aquilo que a gente mais queria: tempo para reorganizar a vida.

Infelizmente, esse tempo pode ter vindo com uma notícia amarga, como é uma demissão  ou suspensão de contrato, justamente em um momento de tantas incertezas.

Mas, não é hora de se jogar no sofá de moletom nem se afundar na escuridão de um estado depressivo, enquanto absorve junk foods e notícias tóxicas. 

É preciso se blindar e reagir!

Primeiro, cuide da saúde

Se você perdeu ou teve suspensa sua fonte de renda, pode estar muito triste e preocupado. Esses sentimentos são legítimos e demonstram que você é alguém responsável.

Porém, por mais difícil que seja, procure ser racional, gastar apenas o absolutamente necessário e opte por uma alimentação mais saudável.

Além de melhorar a sua qualidade de vida será muito mais barato que alimentos processados.

person holding white bowl with sliced lime and ginger inside
Freelancer: sol , limonada e comprometimento
Photo by Dominik Martin on Unsplash

Sol , limonada e comprometimento

O sol é um “alimento” que você precisa colocar no seu cardápio, nas refeições matinais. Melhora a disposição, previne depressões e é uma excelente fonte de vitamina D, muito importante para manter sua imunidade fortalecida e não sucumbir ao ataque de vírus ou bactérias.

Uma limonada ou um chá de limão, ambos feitos em casa, adoçados com mel (se possível) vão dar um reforço na sua vitamina C que é um excelente antioxidante e combate os radicais livre, melhorando seu ânimo e disposição.

Para tomar o sol da manhã você vai precisar pular da cama cedo e, enquanto caminha ou se exercita em algum canto da sua casa, pratique o mindfulness e se prepare para um dia intenso de planejamentos e pequenas e possíveis ações para colocar em prática a sua meta de iniciar sua carreira de freelancer.

Crie uma rotina de trabalho em casa, com horários programados para início, almoço, descanso e encerramento da atividade diária, após uma revisão do plano. Lembre-se de checar as ações cumpridas para medir sua performance e renovar seu comprometimento. 

Freelancer Full Time, é tempo de iniciar a carreira 

Bom, agora que você já cuidou do indispensável, mãos à obra.

Conhece a frase célebre de L. Gomes?

“ Enquanto uns choram, outros vendem lenços. É a filosofia da vida, enquanto você estiver mal, sempre terá alguém se beneficiando com isso.”

Organize sua vida para sair do lado de quem chora e comece a se preparar para vender os tais lenços.

Esse é um daqueles momentos raros que temos tempo para fazer aquelas coisas que de outra forma jamais sairiam do papel ou da caixinha dos planos nunca realizados – e que em algum momento viram frustrações acompanhadas da frase – Será que se eu tivesse tentado…

Comece pelo planejamento e experimente o planner, ele pode ajudar a manter o foco.

man reading book on balcony during daytim
Freelancer full time: plano de negócios
Photo by Austin Distel on Unsplash

Plano de negócios

Se você pretende aproveitar esse isolamento para iniciar uma carreira freelancer full time, precisa começar a pensar como autônomo e empresário.

Um plano de negócios vai ajudá-lo a visualizar melhor todas as etapas desse planejamento e como você poderá valorar o preço do seu trabalho.

O Sebrae tem um plano de negócios simplificado que pode ser preenchido e revisado sempre que necessário.

Part time freelancer e trabalho fixo

Se você tem um trabalho fixo e está em regime de home office é provável que não conseguirá se dedicar muitas horas todos os dias ao trabalho freelancer.

Calcule o tempo necessário para atender com qualidade e responsabilidade um número de clientes ou projetos e não sucumba à tentação de dizer sim para todo mundo e se queimar no mercado. A vida dá voltas.

Juntar-se a outros freelancers e trabalhar de forma coordenada em rede é uma boa opção.

Só não esqueça de colocar na sua agenda um tempo para sua família e seu lazer.

De funcionário a patrão

Mesmo trabalhando part time como freelancer você pode iniciar seu negócio próprio e, passo a passo, sem estresse, transformá-lo no seu trabalho full time. 

Ter em mente o que você realmente deseja e criar o hábito de fazer todo dia uma ação para alimentar esse propósito e o sonho é o mais importante.

É melhor você se dedicar todos os dias trinta minutos para dar um passo a mais em direção aos seus objetivos que esperar pelo fim de semana para fazê-lo. Um contratempo poderá chutar para longe seus objetivos e ficar quinze dias sem acessar seu projeto vai esfriar o seu empenho.

Quando você tem uma meta e cria pequenos espaços de tempo para executar as etapas, seu inconsciente mantém viva a emoção positiva que o moverá até ele.

Muitas grandes e prósperas empresas começaram nas crises e sobrevivem apesar delas.

Organizar sua vida para começar e persistir

Use as dificuldades como incentivo para se manter fiel ao seu propósito de prosperar como freelancer.

Assim disse o repentista e poeta Leandro Gomes de Barros (que era freelancer no início do milênio passado no Nordeste Brasileiro):

Minha inspiração surge dos sonhos não realizados, do dever não completado, da luta que ainda não acabou. 

photo of woman climbing mountain
Freelancer: organizar sua vida para começar e persistir
Photo by x ) on Unsplash

Bora começar?

Crise Mundial e Gig Economy: o que será de nós?

man leaning on window
Crise Mundial e Gig Economy: o que será de nós?
Photo by bruce mars on Unsplash

Quando achávamos que o mundo não poderia parar jamais e que a Gig Economy era o antídoto para todos os males das crises econômicas e falta de empregabilidade, eis que surge um inimigo invisível com a força e poder de destruição proporcionalmente inversos ao seu microscópico tamanho. 

De uma hora para outra, empresas como Uber, Airbnb e outras tantas da sharing economy se viram mergulhadas em uma recessão jamais experimentada por essas vedetes do mundo moderno.

Infelizmente, não só essas gigantes estão sendo atingidas – quem mais sofre são as pessoas comuns, como eu e você. 

O que necessitamos agora é acender a luz da lanterna do Antifrágil para nos guiar até o fim desse túnel e buscar oportunidades para resistir e melhorar quem somos nós.


pathway between trees
Crise mundial: pare o mundo que eu quero descer!
Photo by Ronaldo de Oliveira on Unsplash

Pare o mundo que eu quero descer

Essa é a letra de uma música que cantava Silvio Brito na década de 70.

O refrão dizia: “tá tudo errado, tá tudo errado”.

Pois é, cinquenta anos depois não consertaram e ainda piorou.

E isso me lembra uma máxima que diz: “cuidado com o que você quer, pois vai acabar conseguindo!”

Mas, para tudo tem sempre uma saída, então, vamos respirar fundo e olhar para esse cenário caótico e compreender o que podemos fazer agora?

Valorização dos serviços da Gig Economy

Se o momento pede calma, cautela e distância, a valorização dos crowd workers que conseguem trabalhar em rede, conectados em parceiros no mundo todo, é uma consequência natural.

Essa aparente desacelerada que o globo terrestre deu favorece o exercício de análise de riscos e oportunidades e o planejamento mais cuidadoso, procurando ações positivas com os dois pés no chão. 

Em lugar de estar se lastimando, aceite o que está ocorrendo como um acontecimento inevitável e com o qual não poderemos lutar. 

Procure enxergar e tirar proveito das oportunidades.

Otimização do tempo e reorganização da vida 

Se sua vida pessoal girava em torno da mesa do escritório da companhia, agora é o seu trabalho que deve aguardar no seu desktop setup enquanto você almoça com sua família, com seu gato, ou com seu peixinho dourado.

O tempo de deslocamento pode virar a hora da ioga, ou de um curso on line de outro idioma.

Reorganizar a sua vida profissional acomodando-a de forma a manter um balanceamento mais saudável da sua vida vai melhorar sua saúde, imunidade, disposição e autoestima.

Flexibilidade

No começo, talvez algumas empresas e superiores vão achar que precisam ficar checando se os colaboradores estão realmente trabalhando e produzindo.

É bem possível que seja necessário alguns ajustes até que tudo comece a funcionar da forma correta no home office.

Porém, pelo que sabemos, é possível imaginar que após isso, eles levarão um susto! 

A produtividade costuma disparar quando estamos mais livres para criar e quando trabalhamos nas horas em que estamos mais dispostos.

Algumas pessoas funcionam melhor no período noturno e outras, depois de uma sesta (soneca) no meio do dia.

Talvez muitas empresas venham a repensar seus escritórios e procurem implantar a filosofia do hackable workspace.

silhouette photo of mountains during golden hour
Crise mundial e Gig Economy: novos horizontes
Photo by Lefty Kasdaglis on Unsplash

Novos horizontes 

Talvez esse momento seja traumático para você e para sua família. Alguns empresários não terão suporte financeiro ou equilíbrio emocional para suportar tantas mudanças e a Gig Economy pode representar uma saída para esse momento. 

Saída essa que talvez se transforme em uma grande nova oportunidade.

Para aqueles que estavam acomodados por bons rendimentos mas se amarguravam e não conseguiam mais suspirar de felicidade com sua rotina, essa desaceleração poderá dar tempo de repensar a jornada e dar uma guinada na sua carreira.

Sempre há uma luz no fim do túnel.
Photo by Scott Eckersley on Unsplash

Crise Mundial: faça parte da solução, não do problema 

Sim, o momento é assustador, mas dessa vez todo mundo – literalmente – está no mesmo barco.

Se você já enfrentou crises pessoais sabe que muitas vezes enquanto estamos lutando contra os nossos problemas, muitos estao estourando champagne. Agora, todo mundo está sentindo as mesmas dores – e muitos outros estão doando a vida para salvar pessoas em hospitais.

Por isso, manter a tranquilidade e o equilíbrio emocional vai ajudar você a fazer parte da solução e não do problema.

Nunca vivemos uma situação global que todo mundo dependesse da prosperidade de todo mundo.

A felicidade de um é a felicidade de todos, por isso, todos se empenharão ao máximo para que tudo termine bem e logo.

Aproveite esse momento para exercer a gratidão, olhar além dos medos e das dificuldades.

Essa tempestade vai passar e outras crises virão. 

E estaremos muito mais fortes para enfrentá-las. Concorda? Deixe sua opinião nos comentários.

Espaço de trabalho na Covid 19: desafios e oportunidades para o design desses espaços

boy in green and black camouflage jacket wearing white mask
Como será a volta ao escritório após o COVID 19?
Photo by gryffyn m on Unsplash

O momento que atravessamos, com relação ao Covid 19, enche-nos de questionamentos a respeito de como lidaremos com nossos espaços de trabalho tradicionais, daqui em diante.

Sabemos que muitos segmentos pararam e sua cadeia produtiva sofreu uma ruptura nunca antes vista no pós segunda-guerra, a exemplo do segmento automotivo, aeroviário, imobiliário e de lazer, etc. 

Em contrapartida, outros estão em plena capacidade de operação: o comércio eletrônico, deliveries, alimentação e higiene pessoal, farmacêutico e EPI´s específicos.

Em meio a um surto de informações desencontradas e achismos estamos todos nós procurando por respostas e um caminho seguro a seguir.

O que sabemos de concreto é que teremos que “consertar o pneu com o carro em movimento” e nos reinventar ao passo que a realidade se define em uma velocidade ainda desconhecida.

Brooklyn Bridge during daytime
Covid 19: desafios e oportunidades
Photo by Kyle Tran on Unsplash

Desafios e Oportunidades

De qualquer forma, alguns desafios parecem bastante palpáveis. E as oportunidades, também.

A desaceleração da economia, segundo a JLL Research & Strategy, pode se dar de duas formas: ou leve a moderada e com recuperação no segundo semestre de 2020, ou severa e sustentada.

Em qualquer desses cenários, teremos de lidar com a nova perspectiva de uso e aproveitamento de espaços.

A preocupação e atenção em proteger os colaboradores e parceiros, e os cuidados com escritórios e instalações deverão ser redobradas.

Por outro lado, algumas empresas provavelmente perceberão que o trabalho remoto é viável e pode trazer alguns benefícios, como:

  • a redução de custos com deslocamento,
  • manutenção de  estacionamentos, refeitórios, copas, vestiários, pessoal de limpeza, 
  • diminuição de gastos com eletricidade, água e telefonia, 
  • minimização de despesas adicionais com supérfluos que agora serão notados.

Normas mais brandas e famílias mais próximas

Os governos do mundo todo estão atentos às consequências desse isolamento forçado, para a economia e os negócios, e buscam editar normas para abrandá-las.

As regras do trabalho remoto foram relaxadas para que o máximo de pessoas possam manter a sua fonte de renda  e, ao que tudo indica, a rotina de muitas pessoas tomará novos rumos quando tudo voltar ao “normal”.

Essa experiência tem servido para aproximar pais e filhos e facilitar  a entrada – e a manutenção – das mães nos seus postos de trabalho, que antes se restringiam em razão de rotinas de trabalho muito rígidas.

man in blue dress shirt sitting beside woman in gray shirt
Covid 19: desafios e oportunidades
Photo by American Heritage Chocolate on Unsplash

Horários alternativos e transportes mais fluídos

Com a necessidade de se criar um distanciamento social nos escritórios, refeitórios, restaurantes, etc, será necessário pensar em horários alternativos em que o fluxo de pessoas seja melhor distribuído ao longo dos dias. 

Pessoas notívagas que se viam obrigadas a cumprir um horário conflitante com seus hábitos terão oportunidade de negociar um cotidiano mais prazeroso. 

Outros terão tempo para ir a academia antes do trabalho, sem ter que acordar cedo demais.

E há os que vão preferir iniciar mais cedo para poder buscar os filhos na escola ou procurar uma segunda fonte de renda, depois do primeiro turno.

Com essa melhor distribuição de tempo, podemos imaginar que os transportes, como os trens, metrôs e ônibus fiquem menos sobrecarregados, nas horas tradicionais do rush. Pelo menos é o que se espera.

green-leafed plants
Photo by Belinda Fewings on Unsplash
Covid 19: desafios e oportunidades

Pausa para revigorar os espaços

A rotina de entra e sai de pessoas, agendas apertadas e metas a cumprir acabam por desviar o nosso olhar dos ambientes dos escritórios.

Que tal usar esse momento para pensar em revigorar os espaços? Aproveite que todos estão fora e pense como melhorar a iluminação, a ventilação e o melhor aproveitamento de cada área.

Além de valorizar o ambiente, será uma excelente mensagem de boas vindas para seus colaboradores e clientes! 

Manutenção de ar condicionados

Além das máscaras, álcool gel e alguns cuidados individuais, vamos ter que pensar na manutenção e limpeza dos ambientes e o ar condicionado é um item que cai muito fácil no esquecimento e pode ajudar na circulação de vírus.

Esse momento é ideal para avaliar se está tudo bem com a tubulação, com o trabalho de troca de ar dos aparelhos e o estado dos filtros.

Talvez, em virtude dos cuidados que teremos que tomar após essa pandemia, poderemos diminuir os afastamentos por outras doenças respiratórias e alergias. 

Ameaças de sempre, só que mais desafiadoras

Quem é empreendedor no Brasil não tem muito sossego. Cada movimento político gera solavancos na bolsa, no câmbio, nos humores do mercado.

A verdade é que se existe alguém melhor preparado emocionalmente para suportar os estragos de uma pandemia, esse povo está na América Latina e mais precisamente no seu maior país.

Saber conviver com a recessão é a nossa virtude (ou o nosso infortúnio).

Cada dia é um dia e para cada acontecimento é necessário pensar em uma nova resposta. Por isso, o plano de negócios deve estar sobre a mesa para ser realinhado e analisado quase que diariamente.

Pensar quais serão os cenários que vivenciaremos daqui a 3, 6, 12 meses é um exercício que precisa ser feito.

É necessário manter a comunicação mais frequente com os clientes e fornecedores para prever possíveis rupturas que possam comprometer o planejamento.

Pense na posssiblidade de rever acordos e contratos que possam estar em desequilíbrio nesse momento e procure renegociar.

Se por um lado o trabalho remoto traz conforto para os colaboradores, também pode gerar temores. Muitas pessoas não se sentem seguras quando não estão no seu tradicional ambiente de trabalho. Isso pode desencadear a procrastinação e a perda da qualidade. Reserve um tempo para se comunicar com sua equipe para ajudar na estabilidade emocional de todos.

Covi 19: inteligência e design
Photo by allwork.space

Outoo ID: Inteligência e design

A plataforma da Outoo foi também uma vítima do isolamento social provocado pelo Coronavírus. 

Nossa missão é justamente contribuir para o compartilhamento de espaços, melhorando a qualidade da vida das pessoas, diminuindo deslocamentos e proporcionando a criação de um ecossistema através da oferta e procura de espaços, fora do escritório ou de casa.

Mas, neste momento, o Outoo nada pode fazer, pois as pessoas não podem se valer dos recursos do aplicativo.

E essa situação realmente impactante poderia ser uma razão para que sua fundadora desse app de busca e oferta de espaços de trabalho out of office, Fernanda Mourão, procrastinasse as ações de incremento de novos projetos.

Mas, como o Otto, nosso embaixador, ela também arregaçou as mangas e transformou a crise em oportunidade.

Assim, ela avisou no seu perfil do Linkedin seus novos passos em direção ao futuro.

two women sitting in front of white table
Covi 19: inteligência e design
Photo by You X Ventures on Unsplash

Desenhar novas estratégias

Fernanda já havia criado o OutooID que estava operando em fase experimental, atendendo a pessoas próximas. Mas percebeu, assim como muitos visionários que criaram grandes possibilidades em crises, que era momento de ir além. 

Ela já tinha a percepção, antes da pandemia, de que em algum momento a tendência do home office iria caminhar a passos largos.

Seguindo a sua intuição, ela investia, há algum tempo, para oferecer o serviço de projetos de novos espaços de trabalho e redesenhar os existentes.

A ideia era propor “ home offices mais adequados e escritórios corporativos reduzidos ou ressignificados, pelo crescimento do trabalho remoto“. 

Os coworkings, que até então, não pensaram na proteção dos usuários contra surtos e epidemias e  precisarão rever o distanciamento nos seus espaços.

E todos necessitarão utilizar de forma mais racional os locais que podem ficar vazios.

Essas são algumas das finalidades desse novo conceito, conforme o que ela publicou em seu perfil:

  • Adicionar aos espaços mais áreas ao ar livre, ventilação, vegetação, multifuncionalidade
  • Repensar o tamanho dos espaços e distribuição dos colaboradores dentro do escritório e fora dele, e desenhar uma nova estratégia de real estate
  • Migrar para escritórios satélites, espaços menores, privados ou compartilhados, distribuídos ao invés de uma só sede
  • Propor adaptações de layouts, aproveitando o que já se tem de estrutura e móveis e indicando complementos quando necessário
  • Rever tipos de materiais usados na arquitetura de interiores e superfícies de contato das pessoas
  • Repensar a própria casa e uso dos espaços para um novo padrão de home office

A “Outoo ID – Inteligência e Design para espaços de trabalho” vai contar com parceiros multidisciplinares, e metodologias de design estratégico para oferecer os serviços. 

Assim como a Fernanda você também pode aproveitar o momento para inovar.

Quer saber um pouco mais sobre isso? Manda uma mensagem para a Fernanda ou um e-mail para outooid@outoo.com.br  e saia na frente em design de espaços de trabalho.

PROCRASTINAÇÃO: CUIDADO COM ESSE VÍRUS!

PROCRASTINAÇÃO: CUIDADO COM ESSE VÍRUS!
Photo by Pedro da Silva on Unsplash

A procrastinação é um vício que pode nos atacar, como um vírus.

E tal como o início de uma pandemia, nós pensamos que não seremos atingidos, até o medo se instalar e  nos paralisar.  

  • Quantas vezes você disse que queria todo o tempo do mundo para organizar sua vida?
  • Acabar com a bagunça? Arrumar o guarda roupa?
  • Organizar os livros? Colocar a leitura em dia? Limpar a sua caixa de e-mails?
  • Terminar o seu TCC? Fazer aquela faxina que só você pode? Criar um novo hábito?
  • Implementar um projeto, que nunca sai do papel?

Você deseja arrumar coisas e situações que estão lhe incomodando, não é mesmo?

Proatividade, pode vir! (SQN!)

Pois é, se você está em isolamento social, férias, no meio de um feriadão, de licença ou até sem trabalho, esse dia chegou! E o que você fez, até agora?

  • Listou os objetivos?
  • Enumerou as tarefas de cada etapa?
  • Organizou a sua agenda (que está lotada de tempo)?
  • Criou uma rotina proativa e está voando, quase literalmente, nesse recesso provisório e  chutou para longe a enrolação?

Você acorda focado todos os dias e quando vai dormir, olha no espelho e vê o reflexo de uma verdadeira máquina de realizações! (SQN!)

Mas, calma, antes de se sentir culpado por não conseguir realizar tudo o que deseja , saiba que esse “vírus” ataca 90% das pessoas adultas.

Segundo a psicóloga Naira Caroline Teixeira, especialista em Terapia Junguiana e de Sandplay, o prejudicial hábito da procrastinação, que faz com que nos sintamos tão pequenos diante da vida,  se deve a um nível de stress imposto pela sociedade e que encontra no medo do fracasso uma alavanca de potencialização.

Nós sabemos que em algum momento, praticamente, todo mundo passa por isso. E imaginamos que, quando chegar nossa hora, algum ser iluminado nos ajudará a sair do círculo vicioso da procrastinação. Pois , sabemos que em uma situação em que a rotina (do mundo) está normal, alguém vai puxar você (ou eu) de volta para o ritmo.

PROCRASTINAÇÃO: CUIDADO COM ESSE VÍRUS!
Photo by Ian Espinosa on Unsplash

Socorro! Estou procrastinando! 

Mas, e quando todo mundo está na mesma situação: parado, angustiado, assustado, sem respostas para suas dúvidas? E se, além disso, você estiver mergulhado em fake news, previsões sombrias, disse me disse, aplicativos de mensagens apitando o tempo todo? 

Como não ceder aos apelos dos canais dos influencers que prometem saber o que está acontecendo, ou pedem a sua ajuda para alguma coisa urgente, com lives de horas intermináveis?

O seu feed de notícias, no celular, parece uma porta giratória, e você já está até com dor nos olhos e pescoço de tanto ficar na mesma posição.

E aí, você olha para o lado, ou entra no grupo de amigos, do trabalho, e de outros que deveriam estar “tocando a vida” e percebe que todo mundo está como você, ou quase… 

PROCRASTINAÇÃO: CUIDADO COM ESSE VÍRUS!
Photo by Jaanus Jagomägi on Unsplash

Da rotina zero grau para o isolamento

Otto, o nosso herói, estava em Tóquio quando as medidas de restrição começaram a acontecer, durante a pandemia do Coronavírus e pensou que seria melhor ficar no país dos seus familiares paternos. 

Duas tias solteiras eram idosas e poderiam necessitar de alguma ajuda, já que ele era o único sobrinho.  

Permaneceu na Capital, onde  estava desenvolvendo negócios, mas imaginou que poderia ir até Okinawa, onde elas moram, caso a situação ficasse fora de controle.

Entretanto, logo percebeu que seria em vão, uma vez que sua visita poderia representar um risco para elas.

Tratou  de combinar um horário para se falarem todos os dias e coordenou, para as tias, a compra por aplicativo e a entrega de todo tipo de suprimentos,  e seguiu trabalhando na cidade aquática.

Tóquio não parou, mas os negócios que ele estava tratando ficaram congelados, até segunda ordem.

PROCRASTINAÇÃO: CUIDADO COM ESSE VÍRUS!
Foto: Euronews

Longe da namorada, dos amigos e da família e sem ter o que fazer, resolveu abrir a caixa do “depois eu resolvo”, tirar todas as coisas que lhe incomodavam e que sempre ficavam em segundo plano.

Dentro dela havia muitas ideias e pendências. Então, ele separou aquilo que poderia fazer naquele momento, dentro da realidade em que se encontrava.

Pensou que talvez fosse uma excelente oportunidade para negociar alguns serviços, pois imaginou que outros profissionais também estivessem ociosos e precisando preencher o tempo e o trabalho poderia render mais.

Pegou o seu Planner e o refez cuidadosamente – tinha tempo – e as atuais circunstâncias eram completamente impossíveis de se prever ou contornar.

Resolveu se concentrar em coisas que pudesse fazer à distância e que fossem rápidas para concluir, como repaginar o seu site e contratar alguém para fazer a ilustração de um livro que havia escrito.

Aproveitaria o tempo ocioso para finalizar a tradução para o idioma Inglês.

Também era hora de melhorar sua fluência em Chinês.  

Acessou seu site preferido para prospectar e contratar webdesigner no Brasil, ilustradorx na Itália e revisorx nos EUA.

Em um aplicativo mundial de ensino de idiomas contratou um professor de Mandarim, que mora em Shangai, para aulas diárias.

Para ele, o planeta continuava girando, e imaginava que as pessoas produziriam muito mais, já que estavam impedidas de sair de casa.

Estava até gostando desse break!

PROCRASTINAÇÃO: CUIDADO COM ESSE VÍRUS!
Photo by Huseyin Akuzum on Unsplash

Pare de cavar!

Três dias depois da primeira sessao, recebeu uma mensagem do aplicativo informando que o professor havia adiado todas as aulas do restante da semana.

Otto lhe enviou uma mensagem para saber o que havia ocorrido.

Recebeu como resposta que o mestre estava sem “cabeça”, pois enfrentava problemas financeiros.

Ficou irritado. Como resolver esse problema sem trabalhar? Justamente, ministrar aulas poderia ajudar aquela pessoa a resolver a situação. E ela não conseguia se concentrar? 

Lembrou de um livro que leu que dizia: “se você estiver em um buraco, pare de cavar!”

A procrastinação do professor estava aumentando o “buraco onde acumulavam problemas” e isso lhe traria mais medo e stress, que faria procrastinar mais, criando um círculo vicioso interminável. O próximo passo poderia ser uma depressão, que derruba a imunidade e contribuiu para a manifestação de doenças.

Otto pensou que se tivesse intimidade com ele poderia aconselhá-lo, mas entendia que isso não era possível nesse momento.

Tratou de baixar um app de Yoga para ajudar a manter o foco e preencher o tempo que ainda sobrava.

Uma semana depois, o webdesigner sumiu e não respondia mais.

O ilustrador fazia-lhe perguntas sem nexo e remarcava a data de entrega dos trabalhos e a revisora disse que estava com os sintomas do Covid-19.

Otto aumentou o tempo de exercício e se esforçava para que sua frustração não o fizesse desacelerar seus planos e permitisse ser arrastado para o mar de procrastinadores.

Era preciso nadar para o outro lado e resistir.

PROCRASTINAÇÃO: CUIDADO COM ESSE VÍRUS!
Photo by Dawid Zawiła on Unsplash

Não estocamos tempo!

Graças a sua insistência o webdesigner respondeu, havia entrado em parafuso, mas já voltava ao normal e apresentou o serviço que era de excelente qualidade, como se via nas referências de clientes da página do rapaz.

Mais calmo, Otto ligou para o ilustrador e conversaram. Esse ainda estava perdido no tempo, pois se encontrava no epicentro da pandemia na Itália e perdera a noção de dias e horas.

O nosso herói se deu conta que as pessoas estavam desperdiçando a oportunidade de tornar esse momento produtivo porque, ou estavam amedrontadas, ou não sabiam se planejar. E faziam com que essa fase se tornasse mais torturante.

A noção de ter muito tempo para fazer as coisas em um isolamento é uma ilusão.

Na realidade, o tempo que você não usa para melhorar a sua vida vai ser gasto da mesma forma, com coisas que vão abalar sua autoestima, como ficar no celular em busca de algum post, ou na tv em busca de uma notícia catastrófica ou uma fofoca.

Ninguém guarda tempo para usar depois!

Por último, a revisora se curou e retomou os trabalhos.

E confidenciou ao Otto que desde o começo ela havia sofrido com o medo de contrair a doença e essa possibilidade a assombrava e lhe tirava o foco. 

Muito antes de adoecer de fato, ela já estava enferma, esperando pelo pior.

Lamentou não ter produzido o que poderia, quando ainda estava saudável. Se isso tivesse acontecido, ela teria tido mais tranquilidade para se tratar, sem sentimento de culpa, e sua autoestima talvez armasse um escudo contra a doença.

person submerged on body of water holding sparkler
Procrastinação: não faça parte do problema
Photo by Kristopher Roller on Unsplash

Procrastinação: não faça parte do problema

Otto compreendia a dor alheia, mas se manteve forte em seus propósitos para não fazer parte do problema e sim da solução. 

Quando percebia que estava fraquejando abria novamente seu planner e revia as ações. Era seu próprio chefe e não condescendia com suas próprias chantagens emocionais.

Procrastinação era uma palavra que ele insistia em riscar do seu vocabulário, por mais difícil que fosse. 

Sabemos o quanto pode ser difícil se livrar do vírus da  procrastinação, mas sabemos também que você não vai querer fazer parte do problema!

Logo tudo isso vai passar e poderemos aproveitar para melhorar a nossa qualidade de vida, transformando a rotina para melhor.

E, para que você possa fazer parte da solução, segue a sugestão de um texto sobre 3 REGRAS DE OURO DA NOVA ADMINISTRAÇÃO DO TEMPO.

Você tem alguma estratégia para se livrar desse vício? Conte-nos nos comentários.

Wanderlust: viajar é preciso

Wanderlust: viajar é preciso
Photo by Jordan Opel on Unsplash

Wanderlust é uma palavra derivada do alemão, composta por outras duas: wander (caminhar, trilhar) e lust (desejo).

É daquelas palavras difíceis de traduzir o real significado, como é “saudade” do português, wanderlust vai além do desejo de trilhar, é aquela vontade de viajar, de descobrir novas culturas, lugares, pensamentos no mundo.

Na Europa, os alemães são conhecidos por terem prazer em fazer jornadas de conhecimento e aventurarem-se.

Também é deles outro termo relacionado a esse e que já citamos anteriormente no texto Co-living e nomadismo digital – junto e misturado¨:   Fernweh .

Fernweh significa aquela inquietação que nos coloca em movimento, em busca de novas descobertas através das viagens. Esses dois termos são muito usados para definir o forte desejo de viajar, aquela sensação de voltar de viagem e já começar a pensar na próxima, de querer colocar alfinetes e “visitado” no mapa mundi inteiro e se bobear até mais de um, afinal os lugares podem ser diferentes a cada estação certo?

Wanderlust e Fernweh: quanto mais alfinetes no mapa, melhor!
Photo by Element5 Digital on Unsplash


Luxúria do Sol

Esse conceito começou a aparecer na Alemanha pós iluminista. Os solteiros ricos eram encorajados a viajar para desfrutar do calor em terras onde o sol era mais presente, como França e Itália, tanto para o descanso quanto para explorar culturas e experiências diferentes e agregar novas informações.

Na era pós moderna viajar era um instrumento de empoderamento e para o sociólogo Robert E. Park, no início do século XX, representava uma oposição aos valores e status com os quais as organizações seduziam os talentos da época e os prendiam a uma vida de rotina tradicional.

Wanderlust era um ato de rebeldia questionadora do status quo.

Wanderlust: começou com a busca pelo sol.
Photo by Stephen Leonardi on Unsplash

Autoconhecimento no desconhecido

O desejo por viajar deve ser suficientemente grande para desafiar-se a si mesmo a se conhecer enquanto ajusta o seu comportamento a:

  • diferentes culturas,
    • rotinas alteradas, 
    • fusos horários, 
    • alimentos exóticos, 
    • idiomas desconhecidos, 
    • câmbios de moedas,
    • climas diferentes e
    • solidão (sim! algumas vezes ela bate…)
people in brown wooden boat
Wanderlust: desafiando o status quo
Photo by Pietro De Grandi on Unsplash

Mas, como saber se nosso desejo é assim tão forte para superar todas as dificuldades?

Experimente uma vez, se na volta já deu  vontade de fazer de novo, bem vindo ao barco dos aventureiros!

Dicas de um wanderluster

Se o seu destino é trabalhar enquanto se diverte e misturar pequenas férias com trabalho, você não pode perder as dicas em nosso post Nomadismo digital e viagens de negócio:  3 dicas espertas do Otto.

Esse viajante e amante da rotina zero grau encontrou sua razão para viver saindo da zona de conforto e se jogando no  bleisure… aproveite as dicas de como começar!

E você é um wanderluster também? Conte-nos suas aventuras nos comentários!