Planeta Terra e a pandemia: o lado bom que ninguém previu

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on tumblr
Share on reddit
Share on telegram
Share on whatsapp

Pandemia: o lado bom que ninguém previu
Foto: arquivo pessoal família Raimondi

Ainda não ouvimos ninguém falar, durante essa pandemia, aquela frase de efeito  que qualquer aspirante a sábio ou coach tem na ponta da língua:

“Tente ver o lado bom das coisas ruins que lhe acontece”

Quando o cenário é de iminente perigo, nossa vida pode estar por um fio.

E ainda recebemos notícias de países distantes, onde não está sendo  possível sequer velar milhares de mortos.

Pensar no lado bom, sem dúvida, não é uma tarefa fácil para ninguém, nesse momento. 

Ao contrário, a nossa mente está sempre pronta para prever e se antecipar aos problemas e eventos que  ameaçam a nossa sobrevivência.

Talvez seja essa a razão pela qual sempre esperamos pelo pior.

O que é muito curioso é que nem sábios, santos, mandamentos, poucos nos diziam para prestar atenção na natureza – e cuidar dela. 

Tivemos que chegar quase à exaustão de recursos naturais para que um ser microscópico que sequer respira, parasse nossa sanha pelo consumo desenfreado.

Pandemia: o lado bom que ninguém previu
Foto de Giovana Romanini Queiroz – Vila Maria (Zona Norte)

Previsões do Fim do Mundo

O egocentrismo humano parece ter dirigido a inspiração dos profetas, videntes, escritores e cineastas para descrever  que toda ameaça à vida humana era também uma forma de destruir o meio ambiente.

Quando se abordava do “fim do mundo”, tudo o que a gente conseguia imaginar eram cidades destruídas, escombros cinza, fumaça, detritos, proliferação de  insetos peçonhentos, água suja, escassa ou lamacenta. 

Ao pensarmos em uma crise avassaladora em que ficaríamos encurralados, acuados, impotentes, apenas esperando que algum milagre caísse do céu, as previsões eram de chuva ácida, incêndios espontâneos ou  inundações causadas por furiosos tsunamis.

Mas, eis que esse momento surge parecendo que saiu da tv, enquanto assistimos alguma série, como o documentário “Pandemic”, retratando a saga da luta pela sobrevivência em um cenário que estamos nos acostumando a ver do lado de fora da tela.

Ou do filme “Contágio”, dirigido por Steven Soderbergh e também  das páginas do livro Deadliest Enemy: Our War Against Killer Germs de Michael Osterholm  (O inimigo mais mortal: nossa guerra contra os germes assassinos).

Pandemia: o lado bom que ninguém previu
Foto: Alexandre Maurício Barboza

Hey, vocês não estão fazendo falta!

Enquanto estamos presos, isolados e afastados da nossa rotina e de pessoas que tanto amamos, a natureza, sem pedir licença, está se curando em paz e silenciosamente.

Quase conseguimos ouvir, da paisagem que brota em nossa janela, a incômoda frase:

” Hei, voces não estao fazendo falta!”

Somos vítimas de um vírus que não ataca animais nem vegetais, nem contamina lagos ou escurece os céus. Ele parece apenas estar caçando humanos!

Seria um complô da natureza? Bronca de Deus? Sinal de fim da linha para nós?

Essa catástrofe, que paralisa de medo a raça humana, pode ser confundida com uma vingança do resto do planeta, mas não se desespere, isso tem uma explicação!

O nosso avanço nos últimos cem anos foi muito grande. Demos saltos tecnológicos impensáveis.

A última grande pandemia aconteceu em 1918 e arrastou para a morte cerca de 60 milhões de  pessoas – a gripe Espanhola – e a paisagem em nada mudou.

Naquela época, o plástico, um insumo que está presente em 100% de tudo o que consumimos hoje em dia – direta ou indiretamente, ainda era uma novidade e sofreu certo preconceito, pois o processo de fabricação era caro e lento, para ser usado com abundância.

THE 2018 WORLD ENVIRONMENT DAY: STEPS TO “BEAT PLASTIC POLLUTION ...
Pandemia: o lado bom
Imagem: Google

O plástico foi uma invenção que dependeu de várias etapas de pesquisa e desenvolvimento, iniciadas em 1839, com a vulcanização da borracha. Depois só em 1909 que apareceu o primeiro plástico  totalmente sintético e em escala comercial.

Mas, foi apenas entre 1930 e 1950 que o processo de polimerização foi desenvolvido, e com ele, o barateamento e a diversificação dessa matéria prima:  neoprene, EPS, PVC, poliuretano, PA, PET, PTFE, silicone, PP e PE.

Com isso, insumos para veículos, eletrodomésticos, produtos médicos, embalagens, calçados, tecidos, e muitas outras coisas criaram a abundância de tudo o que vemos e consumimos hoje.

A natureza se curando em paz: o lado bom que ninguém previu

Foi a popularização do  plástico que permitiu ou facilitou que muitos alimentos e bens de consumo chegassem, em uma escala inimaginável, até os supermercados e comércios.

Sem dúvida nenhuma, não teríamos tantos veículos rodando sem ele, nem seria possível as produções em quantidades quase que infinitas. E o planeta vem sentindo na “pele” todo o lado negativo desse efeito dominó, não só causado pelo plástico mas também por todos outros desenvolvimentos tecnológicos que fizemos nas ultimas décadas sem levar em consideração o impacto no meio ambiente.

E agora, que quase toda a Terra parou de produzir e as pessoas estão, na sua maioria, confinadas, tudo estancou:

  • máquinas desligadas
  • carros nas garagens
  • fluxos migratórios e turismo paralisados.

A natureza, nesse momento, parece ter respirado fundo, e começou a faxina, enquanto os bagunceiros estão de castigo.

India sees blue skies and clean air during coronavirus lockdown ...
Pandemia: o lado bom que ninguém previu
Imagem: Índia ( Google)

Céu azul na Índia

A população de um dos maiores produtores de bens de consumo do mundo não lembrava mais qual era a cor do céu, na maioria das suas cidades.

Após o início do lockdown, a qualidade do ar melhorou em 90% das 103 cidades (Fonte: Bloomberg)

Promoting the Dexter breed of cattle | Dexter Cattle Society
Pandemia: o lado bom que ninguém previu
Imagem: Gado Dexter/Google

Gados ilustres na Irlanda do Norte

Um ponto turístico chamado The Bay of Cows (próximo da Calçada dos Gigantes), finalmente pode receber ilustres personalidades do mundo campestre.

Com o parque fechado, foi reintroduzido o gado Dexter, uma das menores raças e que está ajudando a restaurar a vegetação local.

Isso era uma antiga reivindicação da guarda florestal do National Trust, que comemora essa vitória, impossível nos tempos normais.

Pandemia: onde estão os humanos?
Foto: Google

Invasão de cabras

No país de Gales, cabras aproveitam as ruas desertas para invadir o centro da cidade de Llandudno, explorando as árvores e pastando curiosas: onde estão os humanos?

Coronavirus Lockdown: Venice Locals Share Photos Of Clear Canals
Pandemia: o lado bom
Imagem: Google

Beleza solitária de Veneza

As águas sujas e cinzentas dos canais de Veneza deram lugar a águas cristalinas, já que os sedimentos podem descansar em paz no fundo, sem o vai e vem das gôndolas.

Aquecimento global adiou a viagem

Estudos dizem que as viagens aéreas são responsáveis por cerca de 5% do aumento da  temperatura do planeta.

Dessa maneira, além de frear um pouco  o aquecimento da Terra, o céu no mundo todo está conseguindo revelar  dias mais claros e noites mais estreladas. 

Pandemia: o lado bom
Imagem: Ian Bremmer/Linkedin

Himalaya sem binóculos

Após trinta anos, os habitantes da cidade de Punjab, dista há 160 km, puderam ver novamente o Himalaya sem binóculos.

Tempo para contemplação: um lado bom que ninguém previu

O Planeta Terra nos chama para reivenção
Foto por labor.pt

De uma hora para outra, imagens de fotos maravilhosas começaram a pipocar nas redes sociais e aplicativos de mensagens. Pessoas que nunca tiveram tempo de parar e contemplar a beleza da paisagem e o tempo passar, começaram a aguçar o olhar e admirar o despertar de uma natureza tão fustigada por todos nós.

Com ela, aprendemos que nunca é tarde para reagir, ela nunca desistiu da nossa espécie e como uma mãe bondosa aguarda nossa redenção, pacientemente!

Se toda crise traz o seu antídoto, todo ser humano tem a capacidade de se reinventar em dias difíceis. E mesmo sofrendo, conseguimos apreciar o belo, através de um exercício instintivo de mindfulness.

A reinvenção pode vir de diferentes formas, nós da Outoo acreditamos que mudar os hábitos do dia a dia de trabalho, os espaços que escolhe para trabalhar e o deslocamento de todo dia pode ter um grande impacto nessa reinvenção, por isso levantamos a bandeira que o futuro do trabalho está em facilitar a flexibilidade e mobilidade, otimizar tempo e produtividade para gerar um impacto positivo no bem estar das pessoas e sustentabilidade na cidades.

Quando tudo isso acabar, a natureza nos receberá muito mais bela.

Estaremos prontos para retribuir?

Fonte: MSN

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *